PRÓXIMO
Indice-Animais
VOLTAR
INÍCIO
O Furão - (Galictis cuja)
O "Furao" vive em liberdade na Reserva Castanheiras

Frequentemente vem buscar um petisco  
furão (Galictis cuja), é um dos menores representantes da família Mustelidae no Brasil. É encontrado em variados habitats em todo o nosso território e é bastante diferente da espécie Mustela putorius furo, que é importado dos Estados Unidos (animal domestico).
    O gênero Galictis possui três espécies cuja distribuição vai do sul do México até Argentina. No Brasil ocorrem as espécies Galictis cuja e Galictis vittata, sendo que o limite da distribuição das duas não é bem definido. Sabe-se que a espécie que ocorre no Parque Nacional das Emas é Galictis cuja, devido ao porte menor se comparado a Galictis vittata.
    O furão não vive em grupos sociais, porém há registros de animais em número de dois a quatro constituídos da mãe com seus filhotes. Este animal concentra suas atividades nas primeiras horas do dia e ocasionalmente prolonga para o período matutino e crepuscular. O período de maior atividade é o diurno.
    A fêmea do furão dá cria a dois filhotes numa gestação que dura por volta de 39 dias. O comprimento total da espécie atinge em média 69,2cm incluindo a cauda que mede 15cm. O peso máximo registrado é de 1,58kg.
    A alimentação do furão é principalmente carnívora, tendo roedores como as principais presas.
É possível que o furão seja predado oportunisticamente por lobos-guará.
O furão é estritamente terrestre e com agilidades de movimentos. Predam répteis, pequenas aves e pequenos mamíferos. A população deste animal vem diminuindo bastante com a redução indiscriminada de seu espaço natural (matas e capões próximos a margens de rios e lagos) para a formação de pastagens e lavouras.
PRÓXIMO
Indice-Animais
VOLTAR
INÍCIO
Lagarto Teiu     (Vide texto abaixo )

É o maior lagarto da América do Sul e bastante comum. No Litoral Norte, faz aparições freqüentes em estradas de terra e na Mata Atlântica que circunda as praias longínquas como Puruba e Trindade. No Litoral Sul encontra refúgio na área rural de Itanhaém e em toda a Juréia. É largamente caçado no interior pela fama que tem de roubar ovos de galinheiro. A carne parece com a do frango. Embora tenha um couro de qualidade, nunca foi abatido com fins comerciais. Sua cauda é maior que o corpo e é a defesa do animal que a usa como um chicote. Bom nadador, também é capaz de subir em árvores frondosas. As fêmeas costumam abrir um cupinzeiro para botar os ovos no interior, onde ali incubarão protegidos dos predadores. Jean de Léry descreve o horror que sentiu ao ver um desses lagartos de tamanho enorme, no século 16, na região do Rio, então a França Antártica: "(...) Nossos Americanos também apanham tuús (teiús), lagartos que não são verdes (...) mas cinzentos (...) conservam-se em geral às margens dos rios e nos lugares pantanosos (...) bem cozidos, apresentam uma carne branca, delicada, tenra e saborosa como o peito do capão (...) Certa vez os franceses e eu cometemos o erro de visitar o país sem guias selvagens (...) ouvimos o rumor de um bruto que vinha em nossa direção (...) vimos na encosta da montanha um enorme lagarto maior do que um homem e com um comprimento de seis a sete pés (...) abrindo a boca por causa do grande calor que fazia e soprando tão fortemente que o ouvíamos muito bem (...) voltou-se depois de repente e fugiu morro acima fazendo maior barulho nas folhas e ramos do que um veado correndo na floresta (...)".
PRÓXIMO
Indice-Animais
VOLTAR
INÍCIO